Como transformar uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel?

Queres deixar de lado as estradas asfaltadas e passar a uma prática mais lenta e isolada sem mudar de bicicleta? Eis os nossos conselhos para transformar uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel.

Como transformar uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel?

1. A bicicleta de gravel: uma bicicleta polivalente entre asfalto e terra batida

Na fronteira entre bicicleta de estrada, BTT, cyclocross e bicicleta polivalente, dizemos-te tudo o que há a saber sobre o Gravel e sobre os seus pontos fortes, seja para aproveitar os passeios ao fim de semana, para ir trabalhar, para descobrir novos caminhos ou partir em viagem. Todos são bons motivos para iniciar o gravel!

Esta prática vai de vento em popa, mas nem todas as pessoas querem investir numa nova bicicleta. E também nem toda a gente tem espaço para guardar várias bicicletas. Não há problema. A bicicleta de estrada e a bicicleta de gravel têm uma base comum. Eis algumas dicas para transformar rapidamente a sua bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel. Para evitar problemas futuros na tua bicicleta "gravelisada", ou dificuldades de montagem, verifica previamente a compatibilidade das peças que pretendes montar na tua bicicleta de estrada.

2. Converter uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel: comecemos pelas rodas

A base do gravel reside na adaptação das rodas ao off-road. Por isso, o mais urgente será mudar os pneus. Enquanto a bicicleta de estrada tem uma largura de piso reduzida para reduzir o atrito com o solo, na modalidade gravel, privilegiam-se os pneus mais largos para terrenos acidentados e para maior aderência em condições húmidas. A maioria das bicicletas de estrada possui jantes e forquetas que aceitam secções de pneus até 35 mm, o que é um bom começo para circular em caminhos menos técnicos. Se na estrada se privilegiam os pneus lisos, em gravel são os pneus com nervuras que dão cartas, pois oferecem uma melhor aderência aos diferentes solos.

Certifica-te de que o pneu não toca no quadro nem na forqueta e de que a folga é suficiente para deixar passar a terra sem danificar o quadro.
Para uma prática de gravel mais rigorosa, é importante substituir também as jantes. As jantes de gravel em alumínio são normalmente melhores para absorver impactos, que serão permanentes em off-road. Além disso, permitem percorrer caminhos menos técnicos, aceitando pneus com secções mais largas, até 40 ou 45 mm, dependendo da forqueta da bicicleta. Assim, antes de proceder a essa mudança, convém verificares se a tua bicicleta aceita esse tipo de jante!

Já falámos de pneus e de jantes, falta falar da opção câmara de ar/tubeless. Passar para tubeless permite circular com uma pressão de pneu muito inferior, aumentando assim a aderência e o conforto. Este artigo não tem como objetivo descrever o tubeless, nem de comparar as características do tubeless e das câmaras de ar (isso será abordado noutro artigo específico). Visa apenas chamar a atenção para essa possibilidade de escolha quando decidir praticar gravel. No momento de escolher as jantes e o pneu, convém definir a prática e fazer as necessárias opções de equipamento.

Como transformar uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel?

3. O guiador: amortecer as vibrações e encontrar o equilíbrio

As descidas em caminhos são muitas vezes momentos de relaxamento e recuperação. No gravel, as descidas são uma competência por si só. Como acontece com qualquer outra competência, é possível adaptar o material para facilitar a tarefa.
Modificada de forma simples e rápida e sem despesas maiores, a fita de guiador é a primeira coisa a mudar quando nos preparamos para fazer mais gravel. Prefere uma fita grossa e macia para absorver as vibrações. Em certas situações, poderá até ser benéfico dobrar a fita para beneficiar de uma superfície ainda mais confortável para as palmas e para os punhos.
Podes também utilizar uma fita de gel.

Se prevês aventurar-te numa prática gravel mais intensa, com cascalho mais instável ou areia, poderá valer a pena apostar num guiador de gravel. Os guiadores das bicicletas de gravel caracterizam-se pelo seu formato alargado. Muitos se perguntam sobre a função deste formato atípico. Trata-se simplesmente da vontade de encontrar mais estabilidade e equilíbrio. Na verdade, é muito simples. O equilíbrio do praticante de bicicleta depende principalmente de dois fatores: o seu centro de gravidade (quanto mais baixo, mais estável) e o afastamento dos braços (quanto mais afastados, mais estável). Um guiador alargado permite baixar o centro de gravidade e afastar os braços, maximizando assim o equilíbrio na bicicleta.

Como transformar uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel?

4. Subir às árvores? Os nossos conselhos para a transmissão

Se, por um lado, a circulação em estrada ocorre normalmente em piso linear, regular e com inclinação relativamente aceitável, no gravel podemos encontrar-nos rapidamente num declive muito acentuado e escorregadio. Para conseguir ultrapassar "todos os obstáculos", poderá ser boa ideia mudar a cassete, escolhendo o maior carreto possível. As bicicleta de gravel existentes no mercado estão normalmente equipadas com monoprato. A tua bicicleta de estrada tem certamente um duplo ou mesmo triplo prato. Poderá ser boa ideia manter o duplo prato, pois terás mais liberdade nos trajetos íngremes que aparecem por vezes nos itinerários off-road.

Convém ter em conta que a prática de gravel é relativamente recente, o que significa que os planeadores de itinerários ainda não preveem todas as situações desta prática com a mesma perfeição que preveem as de BTT e de bicicleta de estrada. Há 5 anos que pedalo por todo o mundo e pela Europa. Muitas vezes, deparo-me com trilhos que não consigo transpor com a minha bicicleta de gravel. Por isso, quando passo para a modalidade gravel, uma das primeiras coisas que faço é mudar os pedais para SPD, o que me permite desencaixá-los mais depressa em caso de necessidade e movimentar-me corretamente quando tenho de transpor obstáculos transportando a bicicleta.

O gravel é sinónimo de liberdade: cada um saberá o que lhe convém melhor em função da sua experiência!

Não te preocupe com o teu orçamento, o teu jeito para mecânica ou ainda com a tua disponibilidade. O gravel é, antes de mais, uma prática lúdica e livre de bicicleta, à qual cada um confere uma definição própria em função do seu gosto pela velocidade, pela tecnicidade ou pela aventura. Por vezes, basta uma mudança de pneu para pedalar em trilhos florestais e aproveitar um passeio longe do trânsito. Outros preferem elevar a prática do gravel ao seu expoente máximo. Cada um com as suas preferências e, consequentemente, cada um com as suas escolhas de equipamento!

ATENÇÃO: Antes de fazeres qualquer alteração na tua bicicleta, vê os nossos conselhos para que as mudanças não resultem numa anulação da tua garantia!

Como transformar uma bicicleta de estrada numa bicicleta de gravel?

MAXIMILIAN

Franco-alemão, filho de expatriados, sinto-me mais cidadão do mundo. A sede de descobrir novas paisagens, novas culturas e novas línguas, aliada à minha paixão pelo endurance e pela superação das nossas limitações levaram-me a desembaraçar-me do meu telhado. Sou portanto um nómada de bicicleta, em eterna demanda de novos desafios. A bicicleta: a minha liberdade, que gostaria de partilhar com todas as pessoas que não ousam sair da sua zona de conforto.